siga-nos | seja fã
PUB
 

Sabe lidar com a influência dos outros na sua vida?

Sabe lidar com a influência dos outros na sua vida?
Imprimir Partilhar por email
23-06-2015 - 19:58
A questão é complexa, implica muita reflexão e, sobretudo muita consciência pessoal, mas nunca ninguém disse que é impossível melhorar a forma como se lida com os outros e com as suas opiniões.
 
É raro encontrarmos alguém que não se sinta sufocado com a influência dos outros. Seja por viver num meio pequeno onde toda a gente se conhece e “quer dar a sua opinião”, seja por residir nas grandes cidades e por ter de enfrentar o desafio de lutar num meio alargado e ter de responder pelos seus atos “numa comunidade que parece nada saber, mas que afinal tudo sabe.”
 
Se incomoda a influência dos outros, muito mais é prejudicial viver à margem da cultura e das regras do grupo.
 
Segundo a Revista Vida Simples, “o ser humano é um animal gregário, ou seja, vive em grupo, pelo que não se pode afastar a ideia de que, desde o nascimento, o homem precisa dos seus pares, seja para obter alimento, conforto, apoio e proteção. Seja para aprender com os exemplos e tomar decisões.”
 
Neste sentido, o ponto central da questão “é aprender a lidar com os outros sem que essa influência seja prejudicial.”
 
Na posição dos especialistas na área da psicologia, a base é mesmo o treino e a aprendizagem, alicerces que devem integrar a educação do ser humano desde o berço.
 
“Na infância, ocorre o processo de construção do pensamento lógico e da inteligência emocional, pelo que estão reunidas as condições para fornecer valores e a capacidade de distinguir ‘o certo do errado, o bem e o mal’. É a partir desse processo que, paulatinamente o individuo se dá conta do mundo, das pessoas que o rodeiam e que terá uma palavra a dizer no seu percurso”.
 
Os pais são a principal referência desde o primeiro momento de chegada ao mundo e, a eles cabe a tarefa de transmitir a sua herança cultural aos filhos, com a consciência de que, quanto melhor decorrer o processo, mais se caminha para a felicidade.
 
A tarefa não é de todo fácil, realçam os especialistas, “no entanto, os pais têm de perceber que é fundamental preparar os mais novos para o mundo e que essa construção ocorre em cada momento, em cada exemplo, em cada situação”.
 
De forma mais ou menos ingénua, é comum desencadear medos nas crianças, seja do monstro horrível que está no escuro, seja da figura que vai surgir quando não come a sopa e, muitas vezes, não se medem as consequências desses atos. 
 
É essencial reter que, essas experiências podem marcar os futuros adultos, tal como os pais permissivos que “deixam andar” ou as “guerras” familiares que se instalam em torno dos mal-entendidos.
 
Todo este conjunto de situações, mais cedo ou mais tarde, vão merecer uma análise por parte de pais e filhos. Não há pais nem filhos perfeitos, mas a partir do momento em que se aceita o desafio da parentalidade, torna-se quase num desígnio que se melhore a condição humana, que se pondere as questões em torno da parentalidade e, sobretudo que se procure, no grupo, ajuda para melhorar aquilo que não se sabe.
 
Mais uma vez voltamos à importância do grupo… aquele que nos condena quando tomamos decisões erradas ou quando desconhecemos os prejuízos de atuações, mas que acima de tudo, reúne informação preciosa para que possamos evoluir.
 
A influência dos outros é fundamental desde que “na medida certa”, já que é preciso receber a informação e saber personalizá-la. “O filho da vizinha é diferente do nosso, mas talvez existam pontos interessantes que facilitem um ou outro aspeto do desenvolvimento”.
 
Dizem os investigadores de Harvad que, a melhor forma de encontrar o equilíbrio e a felicidade é tentar perceber o mundo, as pessoas e as situações, pois só dessa forma nos conseguimos proteger, avançamos num sentido evolutivo e aceitamos a vida com simplicidade. 
 
Quer isso dizer que, compreender que o grupo é importante e que pode ser prejudicial ao mesmo tempo, implica saber o que se quer retirar de um determinado grupo, o que se quer aprender com outro e o que se dispensa de outros.
 
O ser humano possui a capacidade de diferenciar as situações e de fazer escolhas. Este processo ocorre a partir das vivências e do contato com a diversidade. De todo que não é preciso ser detido para “calcular” o que custa estar privado da liberdade, tal como não é necessário sofrer um acidente para descrever algo horrível. O mesmo se passa com o inverso. À medida em que vamos participando e conhecendo as diferenças, vamos aperfeiçoando as nossas escolhas e selecionando aquilo que nos traz felicidade.
 
“Quanto mais treinarmos, mais estaremos aptos para fazer estas distinções e mais rapidamente seremos capazes de observar e de retirar as nossas conclusões”.
 
É importante ter em conta que, é o diálogo que permite o esclarecimento e, é a partir dos laços familiares que se constrói a abertura para os filhos esclarecerem as suas dúvidas. 
 
É nos pais que os filhos vão procurar apoio e proteção, pelo que, de acordo com a idade, os progenitores devem fornecer o melhor possível essa estabilidade. “Os pais não sabem tudo e é importante saber dizer ‘não sei’, mas ‘vou ajudar-te a procurar a resposta’.
 
Com esta atitude quebram-se muitos medos que deixam marcas para a vida. Todos sabemos dos monstros assustadores que já foram um recurso fácil numa fase em que os filtros das crianças são escassos e em que essas imagens representam terror, por isso devemos sempre encontrar alternativas aos exemplos que usamos, pois se a palavra é  fundamental, o exemplo é a base da educação.
 
Depois, saber assumir um erro é o melhor exemplo que se pode transmitir quando de influência se fala.
 
Preparar um sujeito para o mundo sem que esteja tão vulnerável ás influências exteriores, assenta precisamente neste reforço parental, pois se os pais mostram que recebem a informação do grupo e que fazem a sua própria interpretação, é essa a mensagem que oferecem aos filhos.
 
É no meio humano que os indivíduos se entendem, mas as diferenças ajudam nas escolhas e na formação da personalidade.
 
“Ninguém apresenta uma personalidade tão estruturada a ponto de só aceitar influências positivas, sendo refratário àquilo que não convém, que faz sofrer, que prejudica. No entanto, a procura de companhias que reúnem melhores influências, é sempre o desafio de qualquer família. Para facilitar essa tarefa, só mesmo os pais podem ajudar com os seus exemplos.”
 
Nunca é demais recordar que, “saber o que é bom para si mesmo e ser fiel aos seus valores e desejos requer uma dose de maturidade que exige tempo, estudo, exemplos, lucidez e afeto, elementos essenciais para o equilíbrio e bem-estar.”
 
É a falta de maturidade que dá espaço a uma maior influência dos outros na nossa vida, pelo que, “ser maduro significa assumir autonomia emocional sem transferir para os demais a responsabilidade pelas consequências das suas ações.” Em vez de falarmos de monstros e de figuras assustadoras, por que não aproveitar os bons exemplos mesmo dos filmes para melhorar a autoconfiança dos nossos filhos?
 
Quem não se lembra do filme: “O gato das botas e os três diabos”! – e da célebre frase: “Existe glória e ouro para quem faz a opção correta…” O mesmo filme ilustra o castigo aos maus e a segunda oportunidade que é dada a quem se quer regenerar… pelo que a escolha é sempre de cada um.
 
 
 
COMENTÁRIOS
 
MAIS NOTÍCIAS
-

Precisa de um “jeitinho”? Conheça outros hábitos (muito) portugueses!



-

Para avançar, é preciso “virar a página”!



-

Aprenda “a ser importante” para os outros



-

“A Internet está a tornar-nos mais estúpidos?”



-

As pessoas tristes são as mais egoístas!



PUB
 
PUB
 
ÁREA CLIENTES
Restaurante Os Arcos
A melhor gastronomia algarvia
ver mais
 
Allô Pizza
Os apreciadores da verdadeira pizza italiana conhecem a casa, local agradável, bom ambiente e boa-disposição.
ver mais
 
Loja das Taças
Se és campeão a loja das Taças põe-te o Troféu na mão
ver mais
 
 
 
NOTÍCIA MAIS LIDA DO MOMENTO
Algarve: saiba qual é o supermercado mais barato

Algarve: saiba qual é o supermercado mais barato

ver mais
 
 
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Principal avenida de Portimão com passadeira para peões com mobilidade condicionada

Principal avenida de Portimão com passadeira para peões com mobilidade condicionada

ver mais
 
Site “Loulé Adapta” alerta população para a adaptação às alterações climáticas no município

Site “Loulé Adapta” alerta população para a adaptação às alterações climáticas no município

ver mais
 
14º Festival Med "à altura" das novas tecnologias

14º Festival Med "à altura" das novas tecnologias

ver mais
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Fichas de Leitura» Desporto» Click Saúde
» Economia» Figuras da nossa Terra» Política» CX de Correio