siga-nos | seja fã
PUB
 

Pais inseguros “desenvolvem” filhos instáveis

Pais inseguros “desenvolvem” filhos instáveis
Imprimir Partilhar por email
07-05-2015 - 15:27
Esta afirmação pode causar alguma perplexidade a muitos pais, uma vez que, ainda há quem acredite que os filhos “estão entregues à sua sorte e ao seu destino” e que, “o que melhor fizerem será um benefício para o seu futuro.”
 
Esta atitude quase de “descarte de responsabilidades” é muito comum e merece uma séria reflexão, já que ainda persistem dúvidas acerca do papel dos pais em muitas famílias.
 
Em primeiro lugar, o especialista Gerardo Castilho, alerta-nos para a importância da atitude dos pais, aqueles que são o principal referencial de valores desde o nascimento e que têm a séria responsabilidade de oferecer afetos, regras, educação e exigência ao nível dos comportamentos numa relação familiar para a vida.
 
Para este autor, “é das experiências que tiveram em casa que depende, em boa parte, que os filhos cheguem a ser pessoas sociáveis e capacitadas para a autêntica vida de amizade.”
 
Gerardo Castilho, professor de Pedagogia e Psicopedagogia da Universidade de Navarra e pesquisador do Instituto de Ciências da Família da mesma Universidade,enumerou um conjunto de alertas a ter em conta quando se é pai/mãe:
 
1. Pais que não sabem nada dos filhos e mal lhes dedicam tempo. O pouco tempo de convivência com os filhos deve-se, às vezes, a ausências prolongadas e frequentes do lar, de um dos pais ou de ambos. Em consequência, os filhos não vêem a casa como um lar, mas como uma simples residência, um hotel.
 
2. Pais dominadores, possessivos, autoritários, excessivamente severos e exigentes. Essas atitudes contribuem para tornar os filhos impulsivos e agressivos e, em muitos casos, para desenvolver uma personalidade insegura e instável. Todas estas características acarretam sérias dificuldades de adaptação aos grupos de brincadeiras e de estudo e à vida de amizade.
 
3. Pais superprotetores, que oferecem aos filhos mais ajuda do que eles precisam e tendem a resolver-lhes os problemas, estão a criar um compromisso afetivo na base da dependência, a incutir um amor mal-entendido, ou a conduzir à fraca opinião acerca do filho, já que não acreditam nas suas capacidades e força para se defenderem e para agirem de acordo com os valores apreendidos em casa.
 
A criança superprotegida torna-se excessivamente dependente dos outros: precisa da atenção, aprovação e ajuda quase contínuas das outras pessoas. Não desenvolve a capacidade de valer-se por si: não sabe iniciar atividades próprias nem lutar por vencer as dificuldades que se lhe apresentam. Nessas condições, a mentalidade egocêntrica própria da criança prolonga-se pela vida fora e não lhe permite contribuir com nada de valioso para os outros.
 
4. Pais permissivos, excessivamente indulgentes, que mimam os filhos e os deixam agir em função dos caprichos de cada momento. Esta atitude leva os filhos a torna-se egoístas e fracos, a esperar dos outros uma atenção contínua e a não saber aceitar a frustração de um desejo, levando-os a reagir de forma impaciente e agressiva. Uma vez que toda a convivência exige dar e não apenas receber, essas crianças dificilmente se adaptam à vida em sociedade.
 
5. Pais frios ou indiferentes para com os filhos, que não lhes dão mostras de carinho e afeto. Os filhos costumam agir, nas relações com os companheiros e amigos, com a mesma indiferença e frieza com que foram tratados em casa. Costumam ser crianças tristes, pouco cordiais, que fogem das situações de convivência. E quando tentam relacionar-se com os outros, encontram dificuldades porque lhes falta o elemento central da amizade: o afeto.
 
O problema é maior quando a indiferença dos pais se converte em rejeição, que nem sempre é aberta: às vezes, expressa-se em atitudes de insensibilidade ou de prepotência. Essa rejeição diminui a auto-estima dos filhos, a segurança em si mesmos, e pode dar lugar, mais adiante, a condutas anti-sociais que resultam da necessidade de "descarregar" a agressividade acumulada ou de chamar a atenção dos outros.
 
O mesmo professor apresenta um conjunto de atitudes paternas que, pelo contrário, favorecem a capacidade dos filhos para a convivência. Nesse sentido, é preciso reter que, o principal alicerce para essa conquista depende do exemplo, da forma como os pais se relacionam com os filhos e, acima de tudo, do que lhes exigem desde a tenra idade. “Não se pode exigir sem ensinar, sem mostrar através do exemplo e sem amar”.
 
Um casal que é estável e feliz terá muito mais possibilidades de oferecer aos filhos uma vida harmoniosa, estável e baseada em trocas saudáveis.
 
Logo aqui começa a necessidade de planear o nascimento de um filho e a avaliação das capacidades parentais para enfrentar o desafio que é exigente, com dúvidas, mas que tem de ser baseado numa relação afetiva. Nenhum filho pode ser estável e feliz se não for desejado, se não se sentir como parte integrante da família, se não lhe forem manifestados gestos e expressões afetivas sinceras.
 
Nenhum casal pode educar uma criança se não estiver preparado para o fazer, se não sentir esse desejo e se não encontrar a necessária maturidade para aceitar o desafio.
 
Segundo Gerardo Castilho, “está mais do que comprovado que, se as relações familiares são adequadas, os filhos conseguem adaptar-se muito mais facilmente à convivência social fora de casa.”
 
Reforçando o que é essencial para o bem-estar e equilíbrio do ser humano, o mesmo investigador clarifica, “não basta o amor teórico ou abstrato; os filhos precisam de expressões concretas desse amor dos pais todos os dias. Precisam de afeto e carinho no relacionamento pessoal. Os pais afetuosos e cálidos ajudam os filhos a ter confiança em si mesmos e a relacionar-se com os outros de forma aberta e espontânea.”
 
E mais uma vez surge o alerta: “o carinho com os filhos não deve significar falta de exigência. Precisamente por serem queridos é que devem ser exigidos de maneira progressiva. Com efeito, as crianças que não se sentem exigidas pelos pais consideram-se menos queridas, já que recebem menos atenção. 
 
O carinho aos filhos deve levar, isso sim, a uma exigência compreensiva, isto é, proporcionada ao que se pode pedir a cada filho em cada momento. É preciso, portanto, que os pais sejam ao mesmo tempo exigentes e compreensivos, o que, evidentemente, não é fácil. Na prática, diante dessa dificuldade, os pais costumam polarizar-se numa dessas atitudes, de forma que a compreensão sem exigência cria pais permissivos, e a exigência sem compreensão cria pais autoritários.”
 
Baseado em estudos publicados, Gerardo Castilho acrescenta no seu apontamento: “Lieberman verificou que as crianças pequenas que se sentiam queridas pela mãe eram melhor aceitas pelos companheiros e participavam mais nas atividades comuns na escola.”
 
Winder e Rau descobriram que os pais das crianças mais "sociáveis" tinham duas qualidades: eram muito pouco agressivos e proporcionavam-lhes muito apoio e reforço na sua conduta ("reforço" no sentido de que valorizavam e premiavam os comportamentos positivos dos filhos).
 
Neste sentido, o psicólogo e professor universitário de Navarra sublinha, “se houver amor, haverá também aceitação de cada filho. A aceitação começa pelo desejo de que o filho chegue a existir, casais que têm um filho por falha dos métodos contraceptivos dificilmente conseguirão criar esse clima em que todo o filho que vem ao mundo se sente desejado acima de tudo pelos seus pais.”
 
A aceitação implica também “extravasar esse orgulho - com gosto, não como algo que atrapalha - os cuidados de que cada filho necessita.”
 
Os pais devem estabelecer uma relação ardentemente afetuosa com cada um dos filhos e fazê-los ver que todos eles são "importantes" na vida da família. Comprovou-se que a criança aceite pelos pais "é geralmente cooperativa, sociável, amigável, leal, emocionalmente estável e simpática"; e que "encara a vida com confiança", realça Castilho.
 
Para Gerardo Castilho, um dos principais aspetos a ter em conta quando se pensa em ser pai/mãe é a maturidade para o assumir. “Há diferentes tipos de aceitação dos filhos por parte dos pais em função do amadurecimento emocional destes. 
 
Pais emocionalmente maduros aceitam o filho como um ser autónomo e capaz de participar ativamente da vida familiar, ao passo que pais emocionalmente imaturos tendem a identificar-se tanto com o filho, que acabam por confundir os papéis e não saber qual a conduta que cada um deve assumir. É importante que os pais concedam a cada filho uma liberdade razoável, proporcionada à sua idade. 
 
Quando se estimula a conduta autónoma dos filhos, estes acabam por se tornar ‘mais habilidosos’, cooperativos, independentes e adaptados às situações sociais".
 
Acreditando que um irmão, seja ele natural ou adotivo faz bem ás crianças, Gerardo Castilho concluiu, “verificou-se que isso contribui para que os filhos amadureçam mais cedo e sejam mais abertos aos outros.”
 
 
COMENTÁRIOS
 
MAIS NOTÍCIAS
-

A parentalidade começa na decisão de querer ter filhos!



-

Há cada vez mais pais com medo dos filhos. Porquê?



-

Educação parental influencia resultados escolares e relação com colegas



-

Vamos ajudar o nosso filho a ser mais confiante?



-

Relações: conheça os primeiros sinais de alerta para a separação



PUB
 
PUB
 
ÁREA CLIENTES
Allô Pizza
Os apreciadores da verdadeira pizza italiana conhecem a casa, local agradável, bom ambiente e boa-disposição.
ver mais
 
Escola de Condução C.C.S
Escola de Condução para Motociclos e Veículos Ligeiros.
ver mais
 
Loja das Taças
Se és campeão a loja das Taças põe-te o Troféu na mão
ver mais
 
 
 
NOTÍCIA MAIS LIDA DO MOMENTO
FARO:Manhã na EN125 com capotamento e três feridos ligeiros

FARO:Manhã na EN125 com capotamento e três feridos ligeiros

ver mais
 
 
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Tavira leva Dieta Mediterrânica a feira alentejana que promove o chocalho

Tavira leva Dieta Mediterrânica a feira alentejana que promove o chocalho

ver mais
 
FARO:Manhã na EN125 com capotamento e três feridos ligeiros

FARO:Manhã na EN125 com capotamento e três feridos ligeiros

ver mais
 
Município de Faro investe na modernização tecnológica de todas as escolas EB1 do concelho

Município de Faro investe na modernização tecnológica de todas as escolas EB1 do concelho

ver mais
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Fichas de Leitura» Desporto» Click Saúde
» Economia» Figuras da nossa Terra» Política» CX de Correio