siga-nos | seja fã
PUB
 

“Não se resolve um problema com a mesma energia que o gerou”

Imprimir Partilhar por email
17-08-2013 - 22:40
Esta afirmação pode muito bem suportar diversas áreas de vida, sendo que, o senso comum sabe muito bem o seu verdadeiro significado.
 
Diz a teoria da reconexão que, só se muda algo quando se transforma a energia que existe dentro de nós, pois é a carga positiva que nos permite uma mudança de estado, uma nova forma de encarar a vida e as situações. 
 
Efectivamente, não é necessário recorrer a teorias muito elaboradas para compreender aquilo que é simples e que poderia muito bem ser comparado a uma adição: se nos movemos com uma carga negativa, aquilo que produzimos afasta-se do positivo e, o mesmo se passa ao contrário, quando queremos que algo nos corra melhor, basta que nos fortaleçamos de pensamentos e cargas positivas para que, essa energia se adicione e multiplique. 
 
Basicamente, a vida processa-se com transformações interiores e com a tomada de consciência daquilo que nos é prejudicial, pelo que, só com uma libertação da negatividade é que se pode alcançar uma liberdade a ponto de poder receber um estado de espírito positivo. 
 
Em termos práticos, precisamos de fazer uma leitura analítica daquilo que nos inquieta e perturba, transformar num problema para que possa ser solucionado, mas o que acontece na maioria das vezes, é que, ao não se fazer esse exercício que pode ser doloroso e perdurar no tempo, acaba-se por criar um ciclo de problemas sem alternativa para as capacidades intelectuais de quem os produziu. 
 
Nesta dimensão, é importante reter que, é dentro de nós que tem de sair a capacidade de superação das situações, para depois disso, ver a quem recorrer para pedir ajuda e resolver a questão. Ora se deixarmos acumular ou só adiarmos esta consciencialização, o problema ganha expressão e torna-se mais forte que a solução e mais dominante no dia a dia. 
 
É essa carga negativa que nos impede de vislumbrar o que de melhor temos e somos capazes de fazer e limita a entrada de energia positiva. 
 
Quer isto dizer que, “a luz” ou a inspiração para viver melhor resulta da capacidade individual de afastar a “escuridão” que produzimos. Talvez por isso tenhamos tantas pessoas que, ainda não estando deprimidas, o podem vir a ser por falta de luminosidade nas suas mentes. 
 
No fundo, ser capaz de libertar a energia negativa é uma forma de prevenir muitos dissabores, doenças, incapacidades e dificuldades em resolver as situações quotidianas, pelo que, aprender a reflectir, a analisar a criticar as nossas actuações menos correctas, ao contrário do que se possa pensar, é a única forma de libertação e de encontro de alternativas. 
 
É cultural esconder os erros, tal como o é fazer de conta que os outros são sempre os responsáveis por aquilo que nos sucede. 
 
É igualmente frequente recorrer a crenças para que se encontre alguém a quem atribuir culpas ou mesmo pedir ajuda, mas é impossível encontrar apoio quando não se faz este exercício interior e se encontram as causas para aquilo que nos sucede. 
 
Ainda filosoficamente falando, o ser humano não nasceu para ser infeliz, mas sim para encontrar as melhores soluções para chegar à felicidade e as mesmas passam por um processo simples: quem sou eu, o que gosto de fazer, o que desejaria ter e daí por diante, pois só assim se cria a disponibilidade necessária para encontrar um percurso que se adeqúe ás nossas qualidades e características. 
 
Depois é preciso ter em conta as opções realistas, pois não existe espaço para os sonhos quando de libertação interior se fala. O sonho resulta dessa liberdade e consciência do que somos para depois poder concretizar algo e não daquilo que se julga ser e ter sem qualquer nexo. 
 
Por muito “amarga” que possa parecer esta teoria, a verdade é que nos responsabiliza do que fazemos, mas daquilo que podemos ter e ser, pois ninguém pode idealizar ser aquilo para o qual não sente vocação, aptidão, interesse e que só surge por sugestão social. 
 
Se nos casamos para cumprir uma normativa social, rapidamente entramos na separação, pois não existe energia positiva dentro dos cônjuges para suportar a união. 
 
Ao mesmo tempo, é muito comum nos interrogarmos acerca da razão pela qual perdemos pessoas, oportunidades, bens que pareciam sólidos… 
 
A vida é dinâmica e exige energia e força para manter aquilo de que se gosta e, nem sempre estamos munidos dessa capacidade. Há situações irreversíveis, enquanto que há outras que, num outro momento, se podem recuperar: tudo depende da nossa força interior para atrair aquilo que nos faz falta e dá sentido à nossa existência. 
 
É recorrente associarmos de imediato a questão da energia ao casamento, pois não há ninguém que imagine viver sozinho ou que o deseje por opção consciente, mas a realidade deve colocar-se nestes moldes: neste momento, terei a força necessária para manter esta relação? Dependerá só de mim o sucesso da mesma? 
 
Há relação que sobreviva quando é um dos lados que luta pela sua continuidade quando o outro não tem força para tal? O outro tem força para me ajudar a seguir este relacionamento? Existe amor de parte a parte? Se conseguirmos resolver este conflito, devemos avançar! 
 
As demais áreas de vida podem estar sujeitas a mudanças profundas porque a dinâmica da própria vida impõe que o planeta Terra esteja sempre em movimento, pelo que podemos sentir muitas vezes que, aquilo que parecia seguro, afinal não o estava, mas a mesma energia da perda não pode ser aplicada a uma nova conquista, sob pena de jamais se conseguir a recuperação. 
 
Torna-se pois fundamental mudar, transformar e lutar por um estado de bem-estar que, como já se disse, tem de partir de dentro de nós para depois se projectar no exterior. 
 
Não é por acaso que, numa entrevista de emprego é seleccionada a pessoa que tem uma energia positiva, que não pensa na crise e que consegue mostrar firmeza, mesmo estando numa situação delicada em termos financeiros. 
 
Essa pessoa transformou a sua descrença numa oportunidade de iniciar uma nova fase de vida e consegue agarrar um novo desafio. Aquela que entrou derrotista e sem esperança, vai arrastar a mesma situação negativa. 
 
Após uma separação, o cônjuge mais positivo, entende que a relação estava terminada, o seu porquê e encontra dentro de si motivos para continuar a manter acesa a chama do amor com outra pessoa que lhe possa surgir. 
 
A pessoa deprimida e que não analisa a separação, que não a aceita, mesmo sabendo que está perdida, terá muitas dificuldades em reconstruir a sua vida. 
 
O segredo é este para tudo e está dentro de qualquer pessoa, por isso não vale a pena iniciar o processo de libertação da negatividade através dos outros, mas sim dentro de cada um de nós. Depois, procura-se a ajuda mais adequada. 
 
Não nos esqueçamos que, também é cultural, procurar nos amigos respostas para a separação e, depois de esgotados os conselhos, a maioria das pessoas está tão confusa que não sabe para onde seguir, quando o ideal seria resolver o problema dentro de si e depois partilhar as soluções que encontrou, pois é da sua vida que se trata, são os seus sentimentos que ficaram feridos e que precisam de “um tratamento” pessoal!
 
 
COMENTÁRIOS
 
MAIS NOTÍCIAS
-

Afinal, os amigos não são para sempre!



-

A “ciência” do aperto de mão



-

Com o S. Valentim à porta, saiba como melhorar a sua relação



-

É Demissexual?



-

Descubra os “segredos” das pessoas mais felizes do mundo



PUB
 
PUB
 
ÁREA CLIENTES
Loja das Taças
Se és campeão a loja das Taças põe-te o Troféu na mão
ver mais
 
Restaurante Os Arcos
A melhor gastronomia algarvia
ver mais
 
Allô Pizza
Os apreciadores da verdadeira pizza italiana conhecem a casa, local agradável, bom ambiente e boa-disposição.
ver mais
 
 
 
NOTÍCIA MAIS LIDA DO MOMENTO
FARO:Passados treze anos, Largo das Mouras Velhas está requalificado

FARO:Passados treze anos, Largo das Mouras Velhas está requalificado

ver mais
 
 
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Polícia Marítima fiscaliza atividade de venda ambulante em Albufeira

Polícia Marítima fiscaliza atividade de venda ambulante em Albufeira

ver mais
 
Câmara Municipal cede terreno para a nova "casa" da Polícia Judiciária em Portimão

Câmara Municipal cede terreno para a nova "casa" da Polícia Judiciária em Portimão

ver mais
 
Com o «Guia Algarve» da RTA tenha "à mão" 200 eventos em junho

Com o «Guia Algarve» da RTA tenha "à mão" 200 eventos em junho

ver mais
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Fichas de Leitura» Desporto» Click Saúde
» Economia» Figuras da nossa Terra» Política» CX de Correio