siga-nos | seja fã
PUB
 

Desenho: uma forma de expressão essencial ao desenvolvimento

Desenho: uma forma de expressão essencial ao desenvolvimento
Imprimir Partilhar por email
22-10-2014 - 22:06
Muitas vezes considerado como «meros riscos e rabiscos» o desenho assume elevada importância no desenvolvimento infantil, pelo que deve ser incentivado e proporcionado.
 
São cada vez mais os especialistas que defendem a importância do acto de desenhar como um ponto essencial para todo o percurso da criança, seja para brincar, para expressar sentimentos, para comunicar, para surpreender e, acima de tudo, para desenvolver habilidades e inteligência.
 
Tendo por base um apontamento na revista Crescer no Pinterest, o desenho está presente na vida dos mais novos, seja para brincar ou para fazer uma tarefa escolar. O grafismo na infância está presente desde muito cedo, basta que a criança consiga empunhar um lápis de cera para que comece a dar largas à imaginação e a expressar um conjunto de emoções.
 
«De repente, o papel branco ganha rabiscos, formas e cores. A mão, ainda tão pequena, faz  os desenhos mais originais e criativos que algum pai ou mãe já viu na vida:Mãe, olha, fiz um crocodilo!»
 
Naturalmente a tendência de alguns pais é logo perguntar onde é que a criança vê o animal, mas, calma! Para que a criança possa dar formas cada vez mais aperfeiçoadas aos seus desenhos, precisa de praticar e de passar por inúmeras provas e opiniões dos pais, pelo que, a paciência e o incentivo são as palavras de ordem de todo o processo.
 
Todas as crianças gostam de desenhar e, apesar de parecer apenas uma brincadeira, isso faz parte do desenvolvimento do seu filho. Tanto é que uma pesquisa feita pelo Instituto de Psiquiatria da Universidade Kings College London, no Reino Unido, mostrou que o desenho pode ser um indicador da inteligência de cada um no futuro.
 
Para chegar a esse resultado, os investigadores analisaram 15.504 crianças de 4 anos. Os pais pediram que elas fizessem um desenho, ao qual foi atribuída uma nota numa escala de 0 a 12. Essa pontuação levou em conta se a criança desenhava o corpo humano completo, ou seja, com cabeça, tronco, pernas e braços.
 
Dez anos mais tarde, quando os «desenhadores» já tinham 14 anos, foram submetidos a mais um teste, neste caso, uma prova de inteligência que revelou: «quem teve notas mais altas nos desenhos feitos aos 4 anos, também foi melhor nas avaliações de inteligência».
 
Segundo a investigadora Rosalind Arden, que liderou o estudo, «os pais não precisam de se preocupar se a criança não desenha bem, já que existem outros fatores fundamentais, como a genética e o ambiente, para o desenvolvimento da inteligência. O mais importante é oferecer todos os recursos para que a criança desenhe à vontade e, o que quiser. O desenho tem de ser livre e baseado naquilo que a criança sente vontade de produzir».
 
O que se aprende através do desenho
 
Enquanto desenha, o seu filho adquire muitas aprendizagens. O primeiro ponto é controlar o lápis de cera, de cor ou a caneta. Usar o dedo indicador e o polegar, num movimento de pinça. Este é o resultado do desenvolvimento da coordenação motora fina ou motricidade fina que, é a capacidade para executar movimentos finos com controlo e destreza (por exemplo, usar uma tesoura ou um lápis).
 
Esta capacidade traduz-se na escrita, no desenvolvimento harmónico da parte grafo-motora. 
 
Esta habilidade assume elevada importância uma vez que, a motricidade fina é uma das competências chave a ser desenvolvida desde a tenra idade.
 
O desenvolvimento desta competência possibilita, à posteriori, bons resultados na escrita e na matemática.
 
Ao escolher o que desenhar, mesmo que os traços sejam entendidos apenas por ela, a criança está a expressar os seus pensamentos. Desenhar também é uma forma de comunicação. “É uma maneira de demonstrar a percepção do mundo à sua volta e de uma situação que a criança está a viver”, diz a educadora Lisie De Lucca, coordenadora de cultura do Colégio Porto Seguro, em São Paulo.
 
É de ter em conta que, o acto de desenhar é diferente do desenvolvimento motor, por exemplo, em que os passos se tornam cada vez mais firmes com o passar do tempo. O desenho não apresenta um crescimento linear, ou seja, o seu filho pode voltar a fazer garatujas (traços iniciais) mesmo que já tenha aprendido a desenhar algumas formas. Não há problema algum nisso. “É importante que os pais não tentem direcionar os traços para o ‘sentido certo’ ou ‘mais bonito’”, alerta a educadora Suzy Vieira de Souza, coordenadora de Educação Infantil do Colégio AB Sabin (SP).
 
Os especialistas alertam: « Muitas crianças chegam ao 1º ciclo com a expressividade bloqueada justamente por causa desse corte que tiveram na infância».
 
Além disso, é comum ver pais e mães preocupados com o desenho do filho, fazendo quase uma leitura psicológica.
 
É de realçar que, qualquer tipo de avaliação psicológica, mesmo elaborada a partir do desenho das crianças, deve ser efectuada por um psicólogo e no seu devido consultório; de forma formal para evitar problemas que não existem, ou direccionar soluções e tratamentos adequados.
 
Como incentivar
 
Ofereça materiais diversos: papéis coloridos e de diferentes tamanhos e texturas, lápis de cera, lápis de cor, canetas, tintas e pincéis. É importante que a criança tenha acesso a variados materiais para desenhar, criar e se expressar. Cada um vai proporcionar um desenho diferente. Quanto maior a variedade, mais experiências.
 
Um outro dado importante é, permitir que a criança contacte com diferentes realidades para que as possa representar, à sua maneira, nos desenhos. 
 
Assim, sair com os mais novos, estar em contacto com a natureza, explicar o que se vê em redor, mostrar novas formas e cores, são excelentes incentivos para que os mais pequenos gostem de apreciar o mundo à sua volta, queiram explorar algo novo e, ao mesmo tempo, proporciona o contacto com novas formas de criatividade para os seus trabalhos e desenhos.
 
Nos dias de chuva, em que não é tão fácil fazer visitas a locais próprios como museus, galerias de arte, jardins e outros espaços ao ar livre, os pais devem contar histórias, mostrar fotografias de família e de locais que se guardam no baú para despertar outras formas de expressão nas crianças.
 
Já sabe, ofereça paisagens e conteúdos e… uma folha branca e materiais para que o seu filho dê largas à imaginação!
 
AP
 
COMENTÁRIOS
 
MAIS NOTÍCIAS
-

Afinal, os amigos não são para sempre!



-

A “ciência” do aperto de mão



-

Com o S. Valentim à porta, saiba como melhorar a sua relação



-

É Demissexual?



-

Descubra os “segredos” das pessoas mais felizes do mundo



PUB
 
PUB
 
ÁREA CLIENTES
Restaurante Os Arcos
A melhor gastronomia algarvia
ver mais
 
Allô Pizza
Os apreciadores da verdadeira pizza italiana conhecem a casa, local agradável, bom ambiente e boa-disposição.
ver mais
 
Loja das Taças
Se és campeão a loja das Taças põe-te o Troféu na mão
ver mais
 
 
 
NOTÍCIA MAIS LIDA DO MOMENTO
Maria Leal de volta ao Algarve para animar motards

Maria Leal de volta ao Algarve para animar motards

ver mais
 
 
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Polícia Marítima fiscaliza atividade de venda ambulante em Albufeira

Polícia Marítima fiscaliza atividade de venda ambulante em Albufeira

ver mais
 
Câmara Municipal cede terreno para a nova "casa" da Polícia Judiciária em Portimão

Câmara Municipal cede terreno para a nova "casa" da Polícia Judiciária em Portimão

ver mais
 
Com o «Guia Algarve» da RTA tenha "à mão" 200 eventos em junho

Com o «Guia Algarve» da RTA tenha "à mão" 200 eventos em junho

ver mais
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Fichas de Leitura» Desporto» Click Saúde
» Economia» Figuras da nossa Terra» Política» CX de Correio