siga-nos | seja fã
PUB
 

“A procura do príncipe encantado”

Imprimir Partilhar por email
24-02-2014 - 15:40
São muitas as mulheres que desistiram de casar ou de constituir vida em conjunto devido ao facto de não aceitarem “os pretendentes” que a vida lhes foi mostrando.
 
Esta é uma realidade que parece ganhar expressão no nosso país, o que dá lugar a um número significativo de “solteironas” que optaram por assim permanecer até à chegada do homem ideal que se foi adiando sem que tivessem noção do tempo.
 
Esta situação, cujas consequências dão lugar a pessoas cada vez mais solitárias, a uma diminuição da natalidade, e ao aumento de famílias unipessoais, pode ser, na opinião de muitos especialistas um reflexo das mudanças culturais sentidas nas últimas décadas.
 
Uma explicação para a recusa do casamento, pode assentar do facto de, muitas mulheres terem crescido com o sofrimento das mães e das avós que, não tendo opção de escolha, acabaram por se casar com a pessoa que”lhes foi imposta” pelo sistema e não por amor.
 
Uma outra interpretação para o fenómeno, prende-se com a profissão; a oportunidade de provar à sociedade que, a mulher é muito mais que uma mera dona de casa e que tem direito a vencer na vida.
 
Quando chega aos seus objectivos, muitas vezes já é tarde para se sentir interessada no casamento ou, não encontra uma pessoa capaz de a valorizar e de aceitar o seu percurso e opções, sem esquecer que, há mulheres que ganham muito mais que os homens e que não aceitam ter de sustentar uma relação desigual.
 
O retrato desta nova sociedade é uma opção que nem sempre é pessoal, mas sim da herança cultural, dizem os entendidos, pois a mulher acaba por não encontrar motivos para se ligar emocionalmente a alguém. Começa por colocar “defeitos” nos potenciais candidatos a companheiro e a perder gradualmente o interesse por constituir uma vida conjugal.
 
Depois compara o percurso de outras mulheres mal-sucedidas porque tende a afastar-se das que casaram e que lhe mostram outra perspectiva da realidade e, como resultado, existe uma faixa significativa de mulheres entre os 30 e os 40 anos, para quem o casamento é algo obsoleto.
 
Se no passado esse facto era apontado negativamente, no presente é mais uma opção de quem não encontrou o “príncipe encantado”, o homem das histórias de criança e adolescência que, era distinto dos seus pais, que era especial e que contrastava com tudo o que se conhecia.
 
Nesta dimensão, existe um novo paradigma por resolver, pois o homem ideal, definitivamente não existe. Ou se encontra uma capacidade para aceitar o outro e para desenvolver uma relação, ou a última escolha terá de ser a vida solitária. 
 
Depois, o homem também desperta pouco interesse por mulheres bem sucedidas, pois ou a construção é vivida em conjunto, ou o casamento passa a ser o palco para uma batalha constante, o que ainda afasta mais a ideia do príncipe dos contos de fadas que só apresentava cordialidades e que aceitava incondicionalmente a companheira, que era fiel, bonito e adorado por toda a comunidade.
 
Tal como a mulher não é dotada de todas essas qualidades, igualmente o homem não consegue alcançar esse universo idealizado que se reproduziu nos livros e nos ecrãs.
 
Muitos entendidos em comportamento humano, afirmam que ninguém é completamente feliz sozinho, uma vez que, o ser humano nasceu para viver ligado a outras pessoas que, podem ser ou não do mesmo sexo, mas que sejam uma fonte de energia, motivação e inspiração, pelo que a ideia do príncipe encantado pode muito bem ser substituída pela entrega afectiva a alguém que não necessariamente uma pessoa do sexo oposto, o problema é que muitas pessoas já perderam essa capacidade de incluir alguém nas suas vidas e no seu coração.
 
Tal como existem mulheres solteiras por falta de empatia com alguém, o mesmo se passa com o homem que, por complexos de inferioridade, timidez ou outro tipo de razões, acaba por desenvolver a sua vida sozinho.
 
Este é um novo desafio de estudo, numa sociedade muito habituada a querer juntar aqueles que se considera especiais e que merecem desfrutar uma vida com outra pessoa, mas a quem só lhes foram transmitidos “padrões” de vida negativos e depreciativos do que é o amor e a riqueza de aprender a dividir qualidades e defeitos com outra pessoa na intimidade, porque fora das quatro paredes tudo é sempre mais fácil.
 
 Numa relação ocasional, num encontro de amigos, tudo se encaixa na perfeição, o desafio é mesmo dividir a personalidade, o espaço, o tempo, os objectivos, as expectativas e daí por diante.
 
Quando se chega à conclusão de que não vale a pena tentar, é mesmo porque se construiu uma identidade distante da união e já é muito complicada a tarefa de inverter, pois a pessoa nega com todas as suas forças o envolvimento e os sentimentos e, acaba por, encontrar sempre os seus próprios motivos para rejeitar o amor.
 
Este tipo de pessoas acaba por sentir uma profunda sensação de vazio emocional que aprende diariamente a compensar com as amizades, com o trabalho, compras e, muitas vezes, analisando a vida dos outros, dando especial valor aos problemas, pois só assim se sente bem por não “ter entrado numa relação sem ter encontrado o seu príncipe encantado”.
 
 
COMENTÁRIOS
 
MAIS NOTÍCIAS
-

A dieta “infalível” para este verão!



-

Precisa de um “jeitinho”? Conheça outros hábitos (muito) portugueses!



-

Para avançar, é preciso “virar a página”!



-

Aprenda “a ser importante” para os outros



-

“A Internet está a tornar-nos mais estúpidos?”



PUB
 
NOTÍCIA MAIS LIDA DO MOMENTO
Nota de Pesar do Conselho de Administração do Centro Hospitalar Universitário do Algarve pelo falecimento do Dr. Larguito Claro

Nota de Pesar do Conselho de Administração do Centro Hospitalar Universitário do Algarve pelo falecimento do Dr. Larguito Claro

ver mais
 
 
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Unidades hoteleiras e empreendimentos turísticos do Algarve integram rede de suporte básico de vida

Unidades hoteleiras e empreendimentos turísticos do Algarve integram rede de suporte básico de vida

ver mais
 
Nota de Pesar da Câmara Municipal de Faro pelo falecimento do Dr. Larguito Claro

Nota de Pesar da Câmara Municipal de Faro pelo falecimento do Dr. Larguito Claro

ver mais
 
Nota de Pesar do Conselho de Administração do Centro Hospitalar Universitário do Algarve pelo falecimento do Dr. Larguito Claro

Nota de Pesar do Conselho de Administração do Centro Hospitalar Universitário do Algarve pelo falecimento do Dr. Larguito Claro

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Fichas de Leitura» Desporto» Click Saúde
» Economia» Figuras da nossa Terra» Política» CX de Correio